quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Um dia mais, sem ti ...


Ontem, quando cheguei a casa , era tarde . Estava cansada por tantos motivos , mas talvez o maior cansaço fosse aquele que sinto tão fundo, tão fundo ... o de não te ter aqui, ao pé de mim. Fiquei muito tempo sentada dentro do carro , à porta de casa , sem vontade de entrar . Percebendo o absurdo que é amar-te assim e não te poder ver , percebendo o absurdo que é estar tão longe . E a única vontade que tinha era rodar a chave do carro e ir ter contigo , sabendo do impossivel desse acto . E do absurdo desse impossivel ...

Meu Amor , meu perfeito e puro Amor ... Há duas semanas atrás , precisamente a esta hora , estavamos no Porto , abraçados , felizes, longe de tudo o que nos separa . Na nossa paz . Na verdade, não nos enganemos ... Nunca é "normal " , existem sempre fantasmas , existe sempre o tempo numa contagem cruel que decresce até te deixar ir uma vez mais para longe da minha vida . Existe sempre o absurdo de largar a tua mão e dizer-te "até já , meu Amor" , sabendo que esse "até já" transmite uma falsa esperança de brevidade . Muitas vezes não é assim . O tempo é estranho e mal o meu olhar abandona o teu , já as saudades rebentam numa angustia que não me larga .

Mais uma vez o Porto acolheu o nosso Amor . Cidade linda , mágica que nos vê passar como namorados , de mãos unidas e corações cheios . Ainda sinto a tua mão sobre o meu ombro , o teu carinho , a tua felicidade tão pura e nitida , os teus gestos ternos , a tua vontade de me veres feliz e de me ofereceres momentos inesqueciveis . Foram inesqueciveis , como todos os que já vivemos . Existe uma profundidade inexplicável e eterna em cada momento que vivo contigo e que me acompanhará a vida inteira .

Como poderia esquecer o teu sorriso ou a ternura que me vem de ti , o abraço quieto perante a beleza de uma noite fria na mais bonita Avenida do Porto , o jantar calmo , a nossa cumplicidade, até o gesto simples de fechares o meu casaco porque estava muito frio e eu sorri e deixei-te cuidar de mim... Sabes porquê , meu Amor ? Porque é tão raro poder entregar-me assim a ti , deixar-me ser frágil e sentir que cuidas de mim. Por vezes, eu também queria apenas refugiar-me em silêncio em ti e deixar que passes a mão sobre o meu cabelo , com calma e doçura . Mas tu nunca estás , meu Amor ...

E eu penso no absurdo de tudo isto . Sim, podia pensar que encontrei o Amor e isso já é um Sonho maior , inalcançável para tantos . Mas o preço que pago por ter encontrado em ti o Amor é este fechar de mais uma noite sozinha , é apagar a luz e saber que amanhã será igual .

Passei a odiar o silêncio . Tu tornaste impossivel o silêncio e a solidão . Eu , que até gostava de quietude , agora procuro-te em todos os silêncios e em todos os lugares .
Como me parece estranho e belo , meu Amor , estender a mão e tocar-te . Um gesto simples , mas raro para mim, para ti . Como me parece único conduzir com a tua mão sobre o meu joelho , num gesto silencioso , como se fosse habitual . Quem me dera que fosse , quem me dera que os teus passos me acompanhassem por todas as horas e todos os dias . Mas essa não é a vida que escolheste para nós ...

Desde que te conheci, a minha vida tem sido uma montanha russa de emoções , meu Amor . As subidas são emocionantes e felizes , mas as descidas assustam muito . São demasiado rápidas e tortuosas . Tudo porque te amo tanto, tanto...
Hoje senti-me mais uma vez em baixo. Verdadeiramente esmagada pela realidade de não te ter . Involuntariamente , olho as outras pessoas, os outros casais e sinto-me ferida. Penso o que será de nós ... Tenho de pensar , meu Amor . A vida não é feita apenas de momentos inesqueciveis . Sorrio serenamente quando me dizes que na tua mente , vives outra vida comigo , que não esta , feita de distância e de ausência ... Talvez essa ilusão te salve , mas a realidade ganhará sempre . Sei que a sentes quando apagas a luz todas as noites .
Sou muito feliz contigo , muito mesmo . Mas será que sentes como me magoa cada despedida ? Eu não tenho capacidade para tantas despedidas , para estar sempre a deixar aquilo que mais amo e desejo . Não tenho, meu Amor...
Por vezes parece-me impossível viver um único segundo mais sem ti , meu Amor ...
Paula

10 comentários:

Maresia disse...

Força!Já aqui a comentei anónima duas ou três vezes (18 Set e 17 de Julho)... Acompanho o seu percurso, sei-o de cor... Sei das forças que são necessárias para trilhar esse caminho e sei da dor e do rasto que ele deixa, mas... o O caminho faz-se caminhando e por vezes temos que cumprir as rosas e os espinhos para crescer...

Um dia depois do outro disse...

Às vezes as forças parece que nos abandonam, às vezes parece que não conseguimos suportar nem mais um dia igual a tantos outros...
Mas é preciso viver, acordar todos os dias e seguir em frente.
Amanhã é um novo dia, quem sabe o que nos trará?
Muita força.
Beijinhos

Som do Silêncio disse...

Olá!

Não desistas! Já passaste por tanto, não podes baixar os braços agora. Custa...custa muito, mas o amor que tens, esse que é tão raro, não pode perder a esperança.
Acredita no amanhã embora ele te pareça cada vez mais distante. As despedidas ferem, é verdade, mas nada que não sare quando vives momentos tão intensos e belos como os que vives.
Eu acredito na tua história. Na vossa história. Quero continuar a acreditar.

Beijo muito terno

Anónimo disse...

Quero deixar as minhas palavras de carinho e de admiração perante ti .
Já deixei antes a minha história , a história de um homem que escolheu o amor , que no meio de uma tormenta sem fim , de um casamento morto escolheu a paz de estar ao lado da mulher que amo . Foi o mais justo passo que dei na vida porque hoje sou feliz e livre , já não vivo escondido e melhor , faço feliz aquela que é a mulher da minha vida . Aliás , foi ela que descobriu o teu blog e se reviu em ti tantas vezes .
Não sei se o homem que amas lê este blog . Sei que falas para ele por isso, espero que ele também me "ouça" . Estive num lugar onde está e não desconheço a culpa , o medo , o certo e o errado , a dor de estar longe , o facto de a mulher que amo ser vista como lixo perante a sociedade . Como que se ama tanto uma pessoa e deixa que ela passe por isso ? Mas existe o outro lado . A segurança , o passado por vezes longo ( como era o meu caso ) , a pena, por vezes ainda amor . Existe uma vida construida em bases que se queriam para sempre e essa é uma estrutura muito dificil de fazer ruir .
Eu não sei se o amor pode tudo, Paula . A mudança é temivel mesmo quando se ama muito . Cada um sabe o que sente . EU sei o que sentia - que quando a luz se apagava eu não sentia a minha casa um Lar , sentia-me só , ausente . Contra o mundo , elegi a mulher que amava . Foram os tempos mais dificeis da minha vida . Não se apaga uma vida inteira e se começa outra num passe de magia . Sofri muito . Mas antes tambem sofria , quando ia para casa todos os dias e todos os dias queria correr para os braços da mulher que realmente me amava . Quantas vezes tambem eu fiquei dentro do carro , com lagrimas nos olhos , sem querer entrar em casa porque já não fazia sentido . Mas o dever , a culpa , a pena , compelia-me a entrar e ficar um pouco mais . E a minha "amante " adorada chorava sozinha em casa . Teve de existir uma decisão . Eu não podia magoar 2 mulheres . A coexistência das duas era uma magoa constante para todos . Tem de existir um momento em que já não é possivel fugir dessa decisão . Eu acho que tu estás a chegar a esse momento , pelo que leio . Espero que o homem que amas veja isso , que ele sinta que te fere ficando quieto , como se nada fosse , deixando passar os dias , os meses , os anos até . Que ele fique ou parta , mas que não te fira mais ficando no meio , entendes ?
Eu vejo que se amam muito . Talvez ele não consiga ficar contigo e se tu conseguires ficar com ele mesmo assim, então fica . Mas não me pareces essa mulher . Pareces-me antes uma mulher digna de ser a unica , uma mulher linda pela maneira como se expressa , como se entrega .
Durante muito tempo , julguei que a atitude certa era ser companheiro de uma mulher que já não amava. Mas nenhuma mulher merece pena ou merece ser vista como um impedimento para a felicidade de duas pessoas que se amam . A minha ex mulher merecia outro respeito que não mentiras e traições . Cheguei ao ponto certo em que pensei o ridiculo que era dizer que não queria magoa-la , desrespeitá-la e no entanto , lhe mentia constantemente . Isso sim , é inadmissivel para mim.
Desejo-te tudo de bom . Acho que és uma mulher que não se pode perder quando se encontra . Mas leio-te e vejo que estás muito perto de uma decisão contra o amor que sentes , vejo o teu desespero . Tu tens razão, precisas de uma decisão . Ninguem merece viver assim .
Deixo-te um beijo de amizade , embora não te conheça .
Fernando

Livremente disse...

FORÇA e um abraço e que no teu olhar esteja a esperança de um dia veres finalmente a felicidade entrar-te pela porta dentro..:)

JustMe disse...

Uma vez me disseram...
"Olha para o que sentes !!!"
Acho que não consigo te dizer mais, muito tenho lido, e tão cheio de sentimento, que...

Mas tenta olhar...olha para o que sentes, encontrarás a resposta. Pois quando se mistura a Razão com o Coração, é uma trapalhada, bem ou mal, é a escolha de cada um, embora que seja, mesmo assim, muito difícil.

Um ponto muito importante, é que estas a viver um grande amor, vive da melhor maneira possivel esse amor, e isso como referiste, não acontece a todos !!!

Todos te damos a maior força do Mundo...

Beijo-te com muito carinho
Abraço-te

JustMe

Anónimo disse...

Paula

Queria dizer-te que a minha história é em tudo igual à tua e que a esperança que tenho para mim, divido contigo. O Amor vencerá ... acredita!

És enorme e só mereces muito amor na tua vida. Nunca desistas. Já estive para abandonar, tentei esquecer mas a verdade é que não quis porque um amor assim só acontece uma vez na vida e muitos nem conhecessem esta sensação. Eu não desistirei (embora às vezes doa imenso a ausência) mas promete-me que ficarás aí a viver, mesmo que à distância, esse grande amor. Um dia, quando menos esperares vais sorrir e lembrar que a luta não foi em vão ...

beijo doce minha querida ... que a Luz esteja sempre no teu caminho ...

Cris

*Bela Poeta disse...

Seus poemas saltam realidades que, foram belas e deixaram marcas. Só alguem com muito amor para escrever tão belamnte! Gostei muito de seu Blog. Voltarei aqui assim que puder. Deixo um convite para visitar este meu recente blog. Seria uma honra para mim. Lá você encontrará algumas cicatrizes também. Abraço...*Bela.

Maria disse...

Encontrei este blog hoje...e depois de ler o "Teu até já, meu amor" e a história do Fernando, gostava também de deixar aqui a minha história... quem sabe o homem que amo a leia um dia...
Ao Fernando,um bem haja pela coragem que teve em lutar pela mulher que ama.
Conheci o homem que amo na Faculdade, há quase 19 anos, éramos colegas. Ele tinha namorada e começou aí a luta, o que fazer?
Que caminho escolher, como lutar? Apaixonámo-nos mas fugimos um do outro, eu por medo de sofrer... Casei-me com um homem que não amava e ele acabou por casar com a namorada. Durante anos fomos sabendo algo um do outro por colegas, cruzámo-nos uma vez e foi um momento muito intenso, ele estava com a mulher e eu já divorciada, claro...
Dezoito anos depois reencontrámo-nos, e percebemos que nunca nos esquecemos de nada, que a paixão e o amor tinha sido forte, que era forte, que era um amor puro e muito bonito. Começou de novo o dilema, o que fazer? Como lutar? Ele tinha passado por amarguras grandes na vida, eu também, continuava casado com filhos pequenos, mas o amor estava de novo à nossa frente, outra oportunidade...
Passei os momentos mais felizes da minha vida ao lado deste homem, encaixavámos um no outro, mas a sombra estava sempre à nossa volta! Como fazer para não magoar a familia? Como libertar-se de uma vida de quase vinte anos de casamento? E a segurança que já tinha? E os filhos? E os Pais? E o local onde vive e trabalha que ainda se pauta por valores muito fechados, muito conservadores? Tudo lhe começou a dar medo... mas o nosso amor era tão forte, tão vivo, e ele ia-se fortalecendo, ganhando coragem para fazer o que o Fernando fez mas...
Quando chegou a altura de escolher um caminho, não conseguiu... o amor pelos filhos e a pressão familiar ditaram a escolha! Não que eu fosse impeditivo para continuar a ser o pai extremoso que é, mas porque os meninos estavam a sofrer com a possível separação. Ele não aguentou e percebeu que tinha que continuar o mesmo caminho. Eu fiquei sozinha, vazia, perdida, ainda me encontro assim, há dois meses que não o ouço, que não o vejo, que não o sinto. Foi um corte brutal, durante um ano falavámos por telefone três a quatro vezes por dia, mensagens sem conta, conversas quase diárias por messenger, ele vinha ter comigo sempre que podia (moramos a muitos kilometros de distância) e vivíamos o nosso amor plenamente, o unico homem que amei, sonhavámos em envelhecer juntos...
O Fernando conseguiu, o meu amor não! Podem dizer que se calhar ele não me ama de verdade porque não conseguiu, eu sei que ele me ama, sei o que deve estar também a sofrer mas também sei que o amor dele pelos filhos lhe ditam que permaneça nesse casamento, apesar de eu não conseguir perceber se se consegue fazer os filhos felizes se não estamos felizes. O meu filho adorava-o, também está a sofrer com a ausência dele.
Despediu-se de mim com sofrimento, com a probabilidade de ter que viver uma vida de amargura mas seguiu o caminho dele.
Choro todos os dias, sinto-me muito vazia e estou com uma depressão. Sei que tenho que seguir o meu caminho mas de repente parece que o sol deixou de brilhar, não sinto nada. Não me arrependo do ano que vivi com ele, não me arrependo deste amor, apesar de mais uma vez ele não ter conseguido, não duvido e nunca duvidei do amor dele. sei que me teve no coração estes anos todos, não o sinto um homem feliz mas não posso fazer mais nada. Gostava que ele tivesse a coragem do Fernando mas todos temos as nossas incapacidades e a amarra familiar que ele têm é muito forte. Sei também que não têm amigos com quem desabafar e isso também me magoa. É muito doloroso de repente deixar de ouvir a voz da pessoa que amamos, todos os dias ele me mandava uma mensagem de boa noite e eu uma de bom dia, o telemóvel agora está tão silencioso... é uma dor muito profunda.
Ultimamente percebi que há tantas histórias de amor desencontradas...
Tal como o Fernando, também o meu amor me disse um dia o quanto doloroso era ter que regressar a uma casa que não sentia a dele e que quando vinha ter comigo era como se estivesse a ir para casa...
Porque é a vida tão injusta?

Espero que ele ainda consiga ser feliz junto dos filhos...
Quanto a mim, tenho medo de seguir a minha vida numa contínua espera...

Para ti Paula um beijinho muito grande, nem imaginas como te entendo... que sejas feliz...

Eu ** disse...

Ve, lê, segue e dirige !!

Gostei e irei seguir teu blog .bEIJO*