quinta-feira, 15 de fevereiro de 2007

És tu ...

Quero contar-vos , preciso contar a alguém que não seja eu própria .
Falta-me a coragem para dizer que ele é casado ... Não quero que ninguém julgue de ânimo leve esta história ... porque sei que esse será o pensamento imediato .
Nós não somos, nem nunca seremos aquele caso vulgar, onde é fácil estar porque também não há sentimentos envolvidos . Não ... aqui , os sentimentos foram inexplicáveis desde o inicio .
Em Março de 2006, escrevi no Forum do Sapo "Amor e Companhia" um post : "Se existires" , era o titulo . É fácil ainda encontrar se na área de busca colocarmos este titulo. Por vezes , vou lá . Vou revisitar a primeira vez que ele escreveu . Ao lê-lo , não sei porquê, murmurei , quase inaudivel , " És tu... " .
Não me enganei . Ele foi entrando na minha vida com palavras diárias, como eu na dele . Descobri um homem tão belo, tão inteligente, tão só ...
Quando ouvi a voz dele a primeira vez, tremi . Foi muito depois de já termos revelado um amor intensamente sentido apenas em palavras , sem qualquer referência fisica sequer . Foi depois também de saber a verdade da sua vida , depois do dia em que escolhi ficar , acreditar ... Fomos loucos ? Apostamos tão cedo em nós ...
" Amo-te , é a primeira coisa que quero dizer-te , é a primeira palavra que quero que ouças pela minha voz . O amor devia começar sempre assim , desta maneira pura ... " - foram as suas primeiras palavras . Como é que eu podia esquecer cada uma delas , como eu podia não acreditar profundamente neste homem , neste amor ?...
Ambos sofremos o silêncio da ausência imposta por uma realidade que nos fere . A vida deste lindo anjo já não estava preparada para encontrar o grande amor. A minha estava ... buscava-o , esperei por ele com fé , durante muito tempo . Sempre soube que ele existia . Quando chegou , bastou-me entregar o que já lhe pertencia por direito eterno : o meu amor , a minha alma , o melhor de mim .
Não é fácil , queria encontrar respostas que levassem à certeza de que serei a escolha incontestável na vida do homem que amo infinitamente . Que me ama da mesma maneira , não tenho qualquer dúvida.
Eu chamo-lhe amor impossivel e ele pede-me : não digas isso , não é impossivel , a situação é apenas muito dificil ...
Eu sei que a relação dele está morta . Que o vazio dos dias se arrasta há anos. Que no seu quarto existe apenas uma cama vazia de amor ou desejo , apenas duas pessoas que dormem juntas . Mas sei também que os anos , o abandono a uma pessoa que necessita dele , o julgamento dos outros e uma vida muito estável e estruturada têm um peso incomensurável .
Talvez ninguém acreditasse em nós senão nós ...
Tenho 30 anos , ele é mais velho e contou-me isso com a mesma gravidade com que contou ser casado . Não é essa a diferença que me podia alguma vez separar dele , não é essa diferença que impede duas pessoas que têm de se encontrar e amar , de ficar juntas.
Eu acredito e sempre acreditei em nós . Mas existem dias piores .
Obrigada por me lerem . Não me julguem mal , apenas acredito num grande Amor . Obrigada também pelo lindo apoio já expresso em comentários carinhosos e cheios de força. Não vou negar : preciso muito .
Não vou pedir autorização ao meu Amor para deixar aqui um excerto de um mail dele , sei que ele não se importa . Este é um blog dedicado a ele ... " Até já , meu Amor " é a maneira como nos despedimos sempre . Nas suas próprias palavras : Digo-te " até já " porque nunca te digo Adeus , nunca o quero fazer .

As tuas palavras, meu amor :
" Sei que as horas correm inexoravelmente ao nosso encontro ... Que o nosso olhar nos vai transportar de novo ao fundo das nossas almas, que nos vamos unir e amar , querendo parar o tempo .
Abro a porta e saio , descendo a calçada lentamente .
Por baixo do casaco , sinto o coração a bater mais depressa . É aí que tu resides , meu Amor ...
É aí que sinto que me chamas...
Unidos, abraçados , seguimos rua abaixo .
É manhã ainda .
Parece que nasci há meia hora .
E já só sei amar-te , meu amor ... "

Até já , meu Amor ...

3 comentários:

Por uma lagrima disse...

Estou sem palavras...
Tento reter a lágrima teimosa... imposível...
Tenho tanto para dizer... fiquei muda...
O amor não escolhe idades ou estatutos...
É tão simples falar... e quão complicado agir...
Paula, como te admiro!
A tua transparência enternece-me!
O teu sentimento não é mais um sentimento... é um valor.
Fá-lo prevalecer de olhos fechados e de coração aberto.
As palavras continuam enroladas na garganta... mas voltarei, prometo.
Deixo-te um beijo com todo o carinho... com muita admiração.
Até breve pequenina.

broken disse...

Linda,

Não sintas a consciência pesada, só atrapalha.

O Amor não escolhe hora, condição, cor nem mesmo sexo.

O importante é não haver verdades escondidas. Quanto ao vosso caso, parece-me que é tudo "preto no branco" e isso é muito bom para que possam continuar a amar-se.

Antes que me esqueça, eu vou voltar em novo espaço. Para além de necessitar continuar a falar desta paixão, escrever está-me no sangue. Foi por saber que ele me lê que tomei a decisão de terminar aquele espaço.

Como agora podes certamente entender, a partilha dos sentimentos é desigual e não quero mais que assim seja. Lendo-me, ele sabe sempre que continuo apaixonada por ele e, como tal, não necessita de procurar-me. Agora, daqui para a frente, se quiser saber de mim, procurar-me-á, entendes?!

Jokinhas

Jinho grande

Esmeralda disse...

Só agora li este teu texto.
Sofro de "um mal" parecido.
O homem que AMO, também me diz, ou melhor, dizia "até já", o que para ele significava que o tempo corresse mais depressa.
Também sou mais nova que ele, também ele foi casado. Já não o é…
As coisas resultaram com uma paixão tremenda e uma amor forte, enquanto casado, a partir do momento que o deixou de ser, começou a pouco e pouco a expulsar-me da sua vida.
Eu tola, insisti, insisti, e ele, continuava a dizer que gostava de mim – “sabes que te adoro, não sabes?” –.
O momento em que finalmente me deixei confundir com a esperança que tinha de um dia sermos um só, foi também o momento em que ele pura e simplesmente desapareceu da minha vida. Calou-se de forma abrupta.
Eu teimosa, deixei passar 4 meses e fui à procura dele, amámo-nos, mas não me quer, no entanto disse-me que continuava a querer ser pai do filho que planeio ter daqui a uns 2 ou 3 anos, e no final não me despedi, simplesmente saí dizendo-lhe adeus…
…enquanto ele, me dizia “até já”.

Já passou um mês desde esse dia, e eu choro porque sei que nunca mais o irei ver…

Agora fui eu que desabafei, aqui neste teu espaço.

Obrigada.

beijocas